Impacto da vitimação (sentimentos, comportamentos, etc)

É normal que imediatamente após o homicídio e/ou nas primeiras semanas após, os familiares ou amigos possam desenvolver os seguintes sintomas / sentimentos / comportamentos:

Imediatamente após:

  • estado de choque emocional;
  • pânico;
  • fortes reações físicas e psicológicas (choro, falta de forças, apatia, tremor, etc.);
  • pânico de morrer;
  • impressão de estar a viver um pesadelo;
  • negação da morte do familiar ou amigo;
  • desorientação;
  • sentimento de solidão;
  • sentimento de impotência;
  • sentimentos de raiva e vontade de fazer justiça pelas próprias mãos.

Nos dias e semanas seguintes ao homicídio:

  • dúvida quanto à normalidade das suas reações;
  • ambivalência emocional;
  • mudanças bruscas de humor;
  • início do processo de luto.

Reações físicas comuns:

  • perda de energia;
  • diminuição dos níveis de resistência;
  • dores musculares;
  • dores de cabeça e/ou enxaquecas;
  • distúrbios ao nível da menstruação;
  • arrepios e/ou afrontamentos;
  • problemas digestivos (aumento ou diminuição do apetite, náuseas);
  • tensão arterial alta;
  • mudanças no comportamento sexual.

Reações psicológicas comuns:

  • solidão;
  • culpa;
  • sentimento de ser injustamente tratado;
  • raiva;
  • desconfiança;
  • tristeza;
  • flashbacks (imaginação de imagens ou pensamento relacionados com o crime);
  • falta de motivação.

A nível psicossocial é comum:

  • solidão;
  • tensões familiares e conjugais;
  • medo de estar sozinho;
  • sentimento de incompreensão por parte dos outros;
  • evitamento de locais que causam um sentimento de insegurança.

A gestão destes sintomas, através do apoio psicossocial e psicológico da APAV pode ajudar a minimizar estes efeitos, trazendo, dentro da possibilidade, algum conforto e estabilidade para os familiares e amigos de vítimas de homicídio.