O que é?

O luto é:

  • um processo pessoal. O luto é uma realidade pessoal, variável nas suas manifestações externas. Não é possível medir totalmente a extensão ou a profundidade de um processo de luto, pois este é desenvolvido por uma só pessoa, na interioridade da sua mente. Apesar de se descreverem algumas características gerais em inúmeras pessoas que perderam os seus entes amados, nas mais variadas circunstâncias, tempos ou lugares, e de haver alguma semelhança entre elas, estas características gerais não revelam a totalidade do que sente uma pessoa numa perda por morte. O processo de luto obedece a uma singularidade pessoal – à daquele que o desenvolve, em interação com uma multiplicidade de fatores internos e externos. É um erro julgar que um processo de luto possa ser apenas uma realidade conjunta (por exemplo, «uma família em luto»). Na verdade, sob um «luto conjunto», há vários processos de luto a decorrer, cada um com as suas particularidades e os seus ritmos próprios;
  • um processo complexo. O processo de luto, se for saudável, isto é, «normal», evolui naturalmente, de forma mais ou menos linear. Não é, no entanto, um processo simples. Durante o seu desenvolvimento, interferem múltiplos e complexos fatores, de ordem histórica (sobretudo relacionadas com as circunstâncias da morte do ente amado), psicológica, familiar e social, entre outras.