Conferência "Que mudanças em 25 anos? O Eu e o Outro. Um lugar para a APAV"

Publicado .

   

Por ocasião dos 25 anos do Gabinete de Apoio à Vítima de Coimbra, no dia 5 de dezembro, a APAV promoveu a conferência "Que Mudanças nos Últimos 25 anos? O Eu e o Outro. Um lugar para a APAV", que contou com a participação de Álvaro Laborinho Lúcio (Associado-Fundador da APAV, Juiz Conselheiro Jubilado).

O evento foi coorganizado com o Centro Cultural Penedo da Saudade do Instituto Politécnico de Coimbra.

Apresentação da revista Miscellanea APAV #8

Publicado .

No dia 12 de dezembro, às 15h00, a APAV apresenta o oitavo número da revista Miscellanea APAV. A apresentação da revista irá decorrer nos Serviços de Sede da APAV - Rua José Estêvão 135-A, Lisboa.

A Miscellanea APAV é uma publicação semestral da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima que divulga artigos científicos e de reflexão sobre temas relacionados com vítimas de crime ou com apoio à vítima.

Esta edição da revista Miscellanea APAV reúne artigos de Henrique Prata, Ana Catarina Fonseca, André Carpinelli e Sara Cardoso. Esta edição conta ainda com as fotografias de Cláudio Carneiro.

Confirme a sua presença:
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | 21 358 79 15

Exposição "Olha" na PCM: visita de Valter Vinagre

Publicado .

  

No dia 4 de dezembro foi realizada uma visita guiada à exposição "Olha" com a presença do fotógrafo Valter Vinagre. Estiveram também presentes a Secretária de Estado da Igualdade, Rosa Monteiro e o Presidente da APAV, João Lázaro.

A Presidência do Conselho de Ministros acolhe desde o dia 25 de novembro a exposição "Olha", que reúne um conjunto de trabalhos do fotógrafo Valter Vinagre, sendo o resultado de uma colaboração com a APAV, com o objetivo de retratar o universo das vítimas de crime em Portugal.

RTP: Portugal condenado por tratamento "degradante e desumano" de um preso

Publicado .

rtpnoticia

"Portugal foi condenado esta terça-feira pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem por tratamento degradante e desumano de um cidadão romeno, detido em 2012 e condenado a sete anos de cadeia.

O Tribunal Europeu dos Direitos do Homem concluiu, por unanimidade, que Portugal cometeu várias violações do Artigo 3 - proibição de tratamento desumano e degradante - da Convenção Europeia do Direitos Humanos, em relação às condições da detenção de Daniel Andrei Petrescu em duas prisões, em Portugal, entre 2012 e 2016.

Lê-se na decisão agora divulgada pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem que o cidadão romeno, que esteve preso nas instalações da polícia em Lisboa e na prisão de Pinheiro da Cruz, foi sujeito a tratamento degradante e desumano durante 376 dias não-consecutivos.

Na sequência desta condenação, o Tribunal recomenda o Estado português a adotar medidas que assegurem que os presos tenham condições de prisão compatíveis com o Artigo 3 da Convenção.

Exige ainda o Tribunal que o Estado português garanta mudanças de forma a impedir a continuação de alegadas violações.

A queixa contra Portugal foi apresentada por Daniel Petrescu, um cidadão romeno que, em 2012, foi detido e condenado a sete anos de cadeia por roubo e conspiração criminal.

Daniel Andrei Petrescu apresentou a queixa, em particular, por causa das condições de detenção, prisões sobrelotadas, falta de higiene e aquecimento e condições insalubres.

O tribunal decidiu ainda que o Estado português tem que pagar 15 mil euros por "danos não-pecuniários"." 

Notícia publicada pela RTP.

5 Dezembro | Dia Internacional do/a Voluntário/a

Publicado .

Assinala-se, a 5 de dezembro, o Dia Internacional do/a Voluntário/a. Instituído pela Assembleia Geral da ONU, este dia reforça a importância da valorização de todos os membros da sociedade civil que se aliam, de forma livre e espontânea, para prestar um apoio contínuo aos indivíduos mais desfavorecidos e vulneráveis da sua comunidade. Esta data consagra, para nós, a intenção de dar voz e expressão às iniciativas de voluntariado nacional e internacional, procurando atribuir-lhes a visibilidade e o mérito justos, pelo impulso que representam no trabalho da APAV; pela ação conjunta para a promoção da igualdade, da coesão, da beneficência e da justiça cívica.

A APAV assume o privilégio de poder contar, desde a fundação, com uma colaboração ampla e contínua de voluntários/as, que atuam de forma desinteressada e gratuita ao serviço da missão e visão da instituição no apoio às vítimas de crime, seus familiares e amigos/as. A APAV celebra este dia em preservação dos valores humanitários, junto de todos/as aqueles/as que, de forma resiliente, dão expressão a esta iniciativa, destacando a importância crescente do voluntariado como área primordial de intervenção, profusa e fundamental, junto da pessoa vítima de crime. Cada voluntário/a traz um contributo essencial para a nossa atividade na prestação de apoio.

Deixamos, publicamente, o nosso mais profundo manifesto de gratidão, por toda a generosidade demonstrada pelos/as voluntários/as que tornam possível, através da sua força e resiliência, um auxílio cada vez mais alargado às vítimas de crime e de violência.

Assinalando a data, a APAV promove no dia de hoje o primeiro 1.º Encontro Regional Voluntariado APAV, no Mercado de Culturas, em Lisboa. Além de um evento de natureza formativa, de partilha e de reflexão e de animação, este encontro tem o objectivo de reforçar o bom relacionamento entre todos/as e fortalecer o espiríto de pertença à APAV.

 

apav.pt/voluntariado