banner irs2020 top

SAPO24 | “Ok, eu mostro, mas não a cara”. Os novos códigos de relacionamento na era das redes sociais

Publicado .

daniel cotrim

"Eu confio porque amo. A premissa é sempre a mesma, face a face ou à frente de um ecrã. Mas as famílias já não são iguais, há novas formas de viver a intimidade, o consentimento é palavra-chave ou palavra-travão e a violência também assume outros contornos. Não há problema nenhum em cair de amores nas redes sociais, diz Daniel Cotrim, psicólogo da APAV, mas é preciso estar informado e fechar menos os olhos ao que se passa aqui ao lado.

Daniel Cotrim é psicólogo e trabalha com a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) há quase duas décadas. Tem uma vasta experiência de trabalho junto de vítimas de crimes, em especial mulheres e crianças vítimas de violência doméstica, estando responsável pela supervisão técnica da rede nacional de casas-abrigo, que acolhem mulheres e crianças forçadas a sair das suas casas para escapar a um contexto de violência.

A primeira vez que nos sentámos com Daniel para conversar, em novembro em 2019, foi no âmbito de uma ação de sensibilização que marcava um momento trágico: assinalava-se o facto de mais de 30 pessoas terem perdido a vida vítimas de crimes de violência doméstica — mulheres, homens e crianças. À margem do tema, ainda que com minutos contados, falámos sobre a nova forma como as pessoas se relacionam nos dias que correm, sobre aquilo que um jovem considera ser ou não ser violência num contexto de namoro. Ficámos aquém e por isso mesmo desafiámo-lo a voltar ao tema, a refletir sobre como se ama (e se exerce violência) na era das redes sociais.

Porquê falar sobre relacionamentos — e a violência tantas vezes associada — como um dos temas fraturantes para os próximos dez anos? Porque continuamos a ter manchetes de mulheres e homens mortos por aqueles que um dia fizeram juras de amor eterno, porque os ecrãs transformaram a forma como nos relacionamos todos os dias, porque, como escreveu o poeta inglês John Donne, nenhum homem é uma ilha. (...)"

Fonte: SAPO24