Segurança & Turismo: apoiar turistas vítimas

Publicado .

Realizou-se em Munique, nos dias 7 e 8 de Julho, uma reunião do Projeto Safer Touristic Cities promovido pelo European Forum for Urban Safety (EFUS). O EFUS é um fórum europeu que reúne 250 autoridades locais e regionais de 16 diferentes países europeus. Este projeto conta com a parceria da APAV, como organização especialista em apoio à vítima relativamente aos turistas vítimas de crime, e como cidades parceiras: Alba e Roma (Itália), Munique (Alemanha), Saint Denis (França), Brasov (Roménia) e Barcelona (Espanha). O projeto tem como ideia-chave a segurança como factor de extrema importância no sucesso continuado de um destino turístico.

A APAV esteve representada pelo seu Presidente que, através da comunicação "Supporting tourists victims of crime in the EU", sublinhou a necessidade de nas estratégias de segurança das cidades turísticas se incluir, para além da prevenção e intervenção policial, o apoio a quem for, como turista, vítima de crime. A APAV tem aprofundado o apoio a turistas vítimas ao longo dos anos, em estreita ligação com as embaixadas e consulados. A APAV dispõe de um renovado site específico para os turistas - May I Help You? - com versão em português, inglês e espanhol.

APAV acolheu apresentação de livro sobre Violência Doméstica

Publicado .

Na passada sexta-feira, dia 18 de Julho, a APAV acolheu uma sessão de apresentação do livro “(Re)Contos de Violência Doméstica”. Da autoria de Filomena Iria, o livro aborda a temática de Violência Doméstica, vivida a partir da primeira pessoa. A sessão de apresentação contou com a presença de Filomena Iria (autora), Margarida Davim (Jornal SOL) e Daniel Cotrim (APAV). A apresentação teve lugar na sede da APAV, em Lisboa, tendo-se seguido um debate participado.

Apresentação do livro: A autora trata por tu um tema que muitos falam de cor. A violência doméstica em conversa, em conversas, em olhos nos olhos, sem dramas nem tabus. É um livro de contos simples e contado de forma crua e linguagem fria. São histórias de ficção, desde que se queira fechar os olhos à Realidade. Violência, amor, dependência. Fantasmas da violência doméstica, em histórias contadas de forma simples e aterrorizadora pela sua dureza, contadas na terceira mas sentidas na primeira pessoa. Nas primeira páginas pode ler-se: Advertência! As páginas que se seguem foram escritas com sangue, lágrimas e Medo!

Autora: Filomena Iria

Exposição "Olha" de Valter Vinagre | IPDJ Coimbra

Publicado .

A APAV, em colaboração com o IPDJ - Instituto Português do Desporto e Juventude I.P., promove a exposição de fotografia “Olha” no IPDJ Coimbra. Esta exposição reúne um conjunto de trabalhos do fotógrafo Valter Vinagre, sendo o resultado de uma colaboração com a APAV, com o objectivo de retratar o universo das vítimas de crime em Portugal.

"Como fotografar o silêncio? Como fotografar o invisível ou o velado? Desde que há fotografia – melhor seria dizer, desde que há imagem – que o problema se põe. Seja porque o que está em causa são conceitos e não realidades tangíveis, seja porque essas realidades se furtam absolutamente ao olhar da câmara. A violência doméstica, entendida como fenómeno alargado, é um destes casos. É omnipresente em todas as sociedades, mas invisível. É ilegal (é mesmo um crime público) na nossa, mas resistente à sanção social e à lei. O que é novo na modernidade não é a violência, mas, por um lado a natureza dessa violência e, por outro, o modo como a vemos e a enquadramos entre o espaço público e privado. O seu território, o seu capital de impunidade é precisamente esse círculo fechado que constitui a privacidade, que deixa à porta o Estado, as leis, a urbanidade exigível aos comportamentos. (...) Poucos assuntos podiam ser menos atraentes e mais destituídos de glamour e de fotogenia como a vida das pessoas vítimas de violência. O circuito mediático guarda-as normalmente para encarniçar em nós a faceta humanista que todos julgamos ter. A serenidade cúmplice das imagens de Valter Vinagre recusa liminarmente essa parasitagem. No fundo elas dizem uma só coisa de diferentes maneiras. Olha. Compreende o que puderes. Se puderes. E age. Se puderes."
Celso Martins

A exposição estará patente no IPDJ Coimbra até dia 17 de Julho.

IPDJ - Loja Ponto JA - Coimbra
Rua Pedro Monteiro 73 | 3000-329 Coimbra

Segunda a sexta, das 9h00 às 18h00.

Conversas sobre (In)visibilidade das Mulheres nos Media | Coimbra | 18 Junho

Publicado .

No próximo dia 18 de Junho, quarta-feira, realiza-se em Coimbra mais uma edição das Conversas sobre (In)visibilidade das Mulheres nos Media. O evento terá lugar na Cafetaria Museu da Ciência em Coimbra, com início marcado para as 15h30.

Será analisado o papel dos media no fomento da igualdade de género num sentido abrangente e, também, dar ênfase a situações de dupla discriminação, ou seja, no caso de mulheres pertencentes a grupos sociais só por si já discriminados, tais como mulheres imigrantes, mulheres pertencentes a minorias étnicas, mulheres com deficiência, mulheres lésbicas, gay, bissexuais e transexuais (LGBT) e mulheres vítimas de crime.

Este evento vai contar com a participação de representantes da APAV, UMAR e GRAAL.

 

Exposição "Olha" de Valter Vinagre | IPDJ Setúbal

Publicado .

A APAV, em colaboração com o IPDJ - Instituto Português do Desporto e Juventude I.P., promove a exposição de fotografia “Olha” no IPDJ Setúbal. Esta exposição reúne um conjunto de trabalhos do fotógrafo Valter Vinagre, sendo o resultado de uma colaboração com a APAV, com o objectivo de retratar o universo das vítimas de crime em Portugal.

"Como fotografar o silêncio? Como fotografar o invisível ou o velado? Desde que há fotografia – melhor seria dizer, desde que há imagem – que o problema se põe. Seja porque o que está em causa são conceitos e não realidades tangíveis, seja porque essas realidades se furtam absolutamente ao olhar da câmara. A violência doméstica, entendida como fenómeno alargado, é um destes casos. É omnipresente em todas as sociedades, mas invisível. É ilegal (é mesmo um crime público) na nossa, mas resistente à sanção social e à lei. O que é novo na modernidade não é a violência, mas, por um lado a natureza dessa violência e, por outro, o modo como a vemos e a enquadramos entre o espaço público e privado. O seu território, o seu capital de impunidade é precisamente esse círculo fechado que constitui a privacidade, que deixa à porta o Estado, as leis, a urbanidade exigível aos comportamentos. (...) Poucos assuntos podiam ser menos atraentes e mais destituídos de glamour e de fotogenia como a vida das pessoas vítimas de violência. O circuito mediático guarda-as normalmente para encarniçar em nós a faceta humanista que todos julgamos ter. A serenidade cúmplice das imagens de Valter Vinagre recusa liminarmente essa parasitagem. No fundo elas dizem uma só coisa de diferentes maneiras. Olha. Compreende o que puderes. Se puderes. E age. Se puderes."
Celso Martins

A exposição estará patente no IPDJ Setúbal até dia 3 de Julho.

IPDJ - Loja Ponto JA - Setúbal
Largo José Afonso | Setúbal

Segunda a sexta, das 9h00 às 18h00.