banner irs2020 top

APAV Notícias #110 | Maio 2020

Publicado .

A newsletter APAV Notícias, boletim informativo da APAV, apresenta um resumo das atividades mais recentes da Associação. A edição #110, de maio de 2020, reúne informação sobre: a campanha de consignação do IRS; a reabertura dos Gabinetes de Apoio à Vítima, que estão disponíveis para acolher atendimentos presenciais; a nova campanha "Dê a cara por quem não pode", promovida em parceria com a Altice Portugal; e o lançamento da segunda edição do Prémio APAV para o Jornalismo. A newsletter inclui ainda vários destaques.

Consulte aqui a newsletter:
APAV Notícias #110 | Maio 2020

17 de Maio | Dia Internacional contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia

Publicado .

dobras da bandeira do arco iris 23 2148165476

Assinala-se hoje, 17 de maio, o Dia Internacional contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia, data em que se lembra a legitimação e expansão da luta pelos direitos humanos com a retirada da homossexualidade da “Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde”, em 1990.

Os conceitos de homofobia e transfobia encerram em si não apenas sentimentos e atitudes negativas dirigidas a indivíduos de orientação sexual e identidade de género que não estão de acordo com as expectativas de género da maioria da sociedade, como também sentimentos de intolerância e expressões comportamentais como o ódio, atos discriminatórios ou mesmo atos de violência.

A homofobia, a bifobia, a transfobia e todas as outras formas de intolerância relativas a orientações e características sexuais devem ser prevenidas e combatidas em todas as sociedades. Em Portugal expressões ofensivas ou atos de violência em função de orientação sexual ou identidade de género são crimes. Atos discriminatórios, ainda que não violentos, são ilegais.

O impacto de atitudes discriminatórias e da violência motivados por características identitárias são preocupantes e altamente danosos para as vítimas e para a comunidade onde estas se inserem. A APAV reforça a importância de sensibilizar e educar para a tolerância e pelo respeito à diversidade.

A APAV, através da rede nacional de serviços de proximidade, da rede UAVMD - Unidade de Apoio à Vítima Migrante e de Discriminação - e da sua Linha de Apoio à Vítima – 116 006 (chamada gratuita, 9h-21h, dias úteis), apoia também vítimas de crimes e de discriminação motivados pela sua orientação sexual e/ou identidade de género.

Os Gabinetes de Apoio à Vítima ESTÃO ABERTOS

Publicado .

Continuamos disponíveis para apoiar, presencialmente ou à distância.

Privilegie o atendimento com marcação prévia.

Veja aqui onde estamos.

O apoio à distância continua disponível, como sempre:
• Linha de Apoio à Vítima | 116 006
• Linha Internet Segura | 800 219 090
• Messenger | APAV.Portugal
• Skype | apav_lav

As instalações têm disponível gel desinfectante. O uso de máscara é obrigatório, será mantido o distanciamento e serão seguidas as recomendações da Direção-Geral da Saúde.

Campanha APAV 30 Anos | Miguel Oliveira

Publicado .

Miguel Oliveira é um piloto de motociclismo português que participa na categoria de MotoGP com a equipa Red Bull KTM Tech 3.

Começou a sua carreira desportiva com 9 anos. No ano de estreia ficou em 4.º lugar no campeonato nacional de MiniGP e foi condecorado pela Confederação Desporto de Portugal no recon reconhecimento do seu talento.O atleta tem participado em diversos campeonatos desde então.

Em 2010 foi vice-campeão da Europa e em 2015, na categoria Moto3, foi vice-campeão do mundo. Mais recentemente, em 2019, cumpriu a sua primeira época como piloto do campeonato do mundo de MotoGP.

Miguel Oliveira é a décima primeira personalidade a participar na campanha 30 Anos APAV, Pelos Direitos das Vítimas.

Para mais informações sobre as atividades dos 30 Anos da APAV consulte o site apav.pt/30anos.

#NãoFiqueÀEspera - Dê a cara por quem não pode

Publicado .

 

A APAV juntou-se à Altice Portugal, à Polícia de Segurança Pública (PSP) e à GNR - Guarda Nacional Republicana no desenvolvimento de uma campanha de sensibilização contra a violência doméstica, incentivando a uma maior atuação cívica por parte de todos/as.

A campanha #NãoFiqueÀEspera - "Dê a cara por quem não pode" foi criada no contexto da pandemia de COVID-19. Portugal decretou o isolamento domiciliário como medida de contenção, uma das ações mais eficientes no combate a este vírus que, ao mesmo tempo, constitui uma ameaça para todas as pessoas que são vítimas de violência doméstica e estão confinadas com os/as agressores/as.

Numa altura em que os Portugueses passam por um período sem igual, o dever cívico de recolhimento domiciliário foi decretado em Portugal como medida de contenção da pandemia de COVID-19. Se, por um lado, a quarentena tem sido uma das ações mais eficazes no combate ao vírus, por outro torna-se uma ameaça para as vítimas de violência doméstica.

A Altice Portugal e o MEO, em parceria com a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), a Guarda Nacional Republicana (GNR) e a Policia de Segurança Pública (PSP), associam-se à luta contra este flagelo através de uma campanha de sensibilização, incentivando a uma maior atuação cívica.

Com o isolamento social, as situações de tensão e o número de casos de violência doméstica têm vindo a agravar-se. Urge assim apelar a todos os Portugueses para um problema ainda mais grave durante estes tempos de isolamento.

Sob o mote "Dê a cara por quem não pode", esta campanha faz um apelo aos familiares, amigos/as ou vizinhos/as, bem como a outros membros do círculo próximo das vítimas, que não permaneçam em silêncio nesta altura de crise e que deem voz a quem não pode fazer por si próprio/a.

«Atravessamos atualmente um contexto de confinamento que nos desafia diariamente a fazer mais e melhor. À semelhança do que acontece em todo o mundo, adaptámo-nos a uma nova realidade e unimos esforços para dar continuidade à nossa missão de apoiar vítimas de crime, seus familiares e amigos/as. Com esta iniciativa, voltamos a juntar-nos à Altice Portugal, à GNR e à PSP para cumprir objetivos comuns: incentivar a participação cívica de todos/as e alertar para a urgência de uma sociedade sem violência.», refere João Lázaro, presidente da APAV.

Pode assistir à apresentação da campanha aqui.